Entrevista com Daniel Radcliffe para revista Empire Magazine de Fevereiro de 2012


Foi divulgada uma entrevista que Daniel Radcliffe deu para a edição de Fevereiro de 2012 à revista Empire Magazine, nela ele conta sobre seu amadurecimento entre outros asusntos, confira:

“É recente a minha descoberta sobre os problemas que as pessoas tinham comigo nos filmes,” ele diz, tentado.

“E você sabe, pessoas são obviamente firmes com suas opiniões. O jeito que eu faço as coisas é tanto sutil quando desvalorizador. Na verdade, eu me culpo por certas coisas em particular- e eu estou definitivamente no sexto filme de Harry Potter- é desvalorizante praticamente o filme inteiro. 

Ele ri. “Mas nós aprendemos com nossos erros. Sabe, eu estou na idade que a maioria dos atores estaria quando aprendessem com seus erros em particular e fizessem aulas de teatro por três anos. É uma faca de dois gumes – Eu tive o privilégio de trabalhar com esses atores fantásticos por 10 anos e aprender com eles, mas eu também tive – na verdade todos nós tivemos - o pequeno desconforto de alguém ver, basicamente, nossas aulas de atuação.”

Ele adiciona: “Às vezes, eu realmente acho que estou pegando o jeito, porque eu nunca tive um processo. Meu processo foi praticamente ficar no lugar certo e decorar minhas falas. Então eu estou tentando achar um processo que me permita achar uma perfeição em um personagem, e isso não vem fácil. Estou trabalhando nisso. Tem dias que eu fico ‘Sim, eu estou aprendendo alguma coisa! Que ótimo!’ e tem outros que eu fico ‘ Ah meu deus, eu nunca vou me sentir bem nisso. Nunca vou me sentir como se não fosse uma fraude.”

“Vou soar muito estranho agora”, ele diz. “Mas quando eu era mais jovem, na idade de 14, 15 anos, teve um período de seis meses que a ultima coisa que eu fazia toda noite era ler toda a sessão de “Ultimas Palavras” do Livro de Citações.
Eu tinha um fascínio pela morte... Eu perdi dois amigos e um parente, minha avó por parte de pai.”

Ele pausa.

“Nada que eu ja senti chaga perto da dor. Imagine um jovem rapaz que perde sua esposa. Sorte que eu tenho uma imaginação bem fértil.

A cena mais difícil para Radcliffe foi, não o teste físico, mas o emocional, quando Kipps é deixado sozinho na casa assombrada, enfrentando um Missus bem malevolente.

“O lado emocional é o pior, com certeza,” ele diz. “ E é por isso que eu sinto que fiz algumas falhas no filme porque, na verdade, pela primeira vez eu me senti capaz de deixar minhas emoções transbordarem pelo personagem. Eu sei que soa bizarro dizer isso agora, mas foi uma experiencia bem nova, não sei porque. Eu achei que meu lado emocional se mostrou no ultimo Potter, mas não nos anteriores.”

Radcliffe esta ansioso para interpretar um contemporâneo e não fictício personagem em 2012, e tem “duas possibilidades fortes de filmes muito excitantes, mas vem do mundo dos filmes independentes pra mim, então as coisas podem acontecer ou não. Eu só quero continuar trabalhando com pessoas interessantes, e construir um grande e diverso corpo de trabalho. ''

Quando eu olho para a carreira de Gary Oldman, isso me inspira, eu vejo e falo ‘Meu deus, isso é incrível!'. A versatilidade, e emoção mostrada nela... E eu acredito que eu sou capaz disso.”


Share this:

CONVERSATION

0 comentários:

Postar um comentário

Quantos já viram nossa página: